A Acessibilidade No Google Chrome: uma Novela Mexicana Sem Perspectivas de um Final Feliz

Sexta-feira, 25 de Maio de 2012 por Marlin Rodrigues da Silva

A Acessibilidade No Google Chrome: uma Novela Mexicana Sem Perspectivas de um Final Feliz

Há cerca de algum tempo, em meio à discussão de um tópico sobre o google chrome na lista do NVDA em Português, em resposta a a pergunta feita por um membro sobre se a empresa google se preocupava com a acessibilidade, Rui Batista saiu-se com a feliz resposta:
“A Google sim, mas seus programadores, não” [1].

Infelizmente, dia após dia a veracidade dessa afirmação é confirmada.
Assim como houveram muitos progressos na acessibilidade de seu navegador, que é admirado por muitos e inclusive por cegos, fato que se deve principalmente à sua velocidade, são também incontáveis as regressões notadas na acessibilidade.

O NVDA, primeiro leitor de telas a oferecer suporte ao google chrome, fato ocorrido a partir da versão 6, tem sofrido inúmeras ocilações de acessibilidade ao longo das já transcorridas 15 versões.

A partir da versão 11, por exemplo, houve uma mudança extremamente negativa que durante duas versões, aboliu essa acessibilidade, não permitindo que se tivesse acesso ao conteúdo de links e botões, sendo informados apenas os nomes dos controles acompanhados de símbolos indescritíveis.

As caixas de combinação, que sempre foram um dos grandes nós no que tange à acessibilidade do google chrome, passaram a ser suportadas na versão 17, a mesma versão em que o anúncio do título deixou de ser possível. além disso, a versão seguinte já retirou esse significativo ganho, sem que se saiba o porquê.

Se até então era possível navegar por controles de mídia presentes em páginas com html5, e com alguns malabarismos podia-se ter acesso a alguns controles flash, a versão 18 também tratou de impossibilitar isso, dando mais um golpe na acessibilidade desse browser.

Se a versão 21, ainda em fase de desenvolvimento, animou aos usuários portadores de deficiência que o admiram, ao trazer novamente a acessibilidade das caixas de combinação, por outro lado tornou difícil que se chegue até elas, pois retirou a acessibilidade das tão úteis teclas de navegação rápida, que permitem acessar a controles e outros elementos através do pressionamento de apenas um caractere.

Entre as versões 18 e 19, os botões de alternância, muito usados por usuários de redes sociais, tornaram-se acessíveis, inclusive com o referido controle passando a ser reconhecido pelos leitores de telas com o nome adequado. Mas como não podia ser diferente, houve mais pontos negativos. O conteúdo de muitas páginas web quando acessadas através desse navegador, passou a ser embaralhado, havendo uma mistura entre os cabeçalhos e o conteúdo dos textos, que passaram a iniciar na mesma linha dos cabeçalhos, assim como os detalhes dos e-mails em páginas como a do Yahoo e Hotmail, que tornaram-se bastante confusos, por não mais serem separados em linhas diferentes. Existem também outros exemplos do que afirmo aqui, embora menos significativos.

Quase que invariavelmente, versão após versão, os progressos da acessibilidade do google chrome com leitores de telas são acompanhados por regressões. Vale salientar que desde há muito, vários desses problemas já foram reportados no chrome bug tracker, lugar onde se solicita inovações e correções para o Google Chrome.

Diante de tudo isso, eu me pergunto se o alto escalão da google está por dentro dessa situação. Se sim, então somos para eles um público realmente dispresível.
Ainda que sem muita esperança, os portadores de deficiência visual que são admiradores da leveza e da simplicidade do google chrome aguardam um final feliz para esta dramática história entre o navegador e os leitores de telas.

[1] Nota de Rui Batista: Acredito que existam alguns programadores no Google com sérias priocupações com a acessibilidade. Porém é fácil de comprovar que a acessibilidade nos produtos Google não tem sido considerada como um ponto fundamental no design dos mesmos. Exemplos? a acessibilidade no sistema Android é pobre comparada com a da maioria da concorrência. Exceptuando na utilização do Chromevox, o serviço google docs não é suficientemente acessível recorrendo aos leitores de ecrã existentes e conhecidos dos utilizadores cegos. Mais exemplos existem.